Top Ad 728x90

19 de nov de 2010

CRÍTICA: UM HOMEM MISTERIOSO (THE AMERICAN)

Um dos thrillers mais monótonos dos últimos tempos. Essa é a definição possível para Um Homem Misterioso (The American), filme que trás um burocrático George Clooney como protagonista desse insípido longa. Clooney vive um assassino chamado Jack (e por vezes também chamado Eduardo) contratado pelo sueco Pavel (Johan Leysen). O filme é deliberadamente vago, sem deixar pistas da origem do personagem e o porquê de sua função e objetivos. 

Insistindo em ser enigmático em toda sua linha de trabalho, falta a esse thriller o tom certo para prender a atenção e nos fazer torcer pelo protagonista, o que nem de longe acontece. Em sua seqüência de abertura o longa promete seguir o rumo de tiros e perseguições na linha da franquia Bourne, para logo em seguida mostrar essa não será a trilha que o diretor Anton Corbijn irá seguir. O filme no fundo usa tiros e perseguições (que não empolgam) como pano de fundo para mostrar um homem em busca de redenção depois de dedicar sua vida a matança por encomenda. Surgem em seu caminho um padre fora dos padrões, uma assassina dúbia e uma apaixonada prostituta.

Anton Corbijn dirigiu a partir do roteiro por Rowan Joffe, baseado em Martin Booth elogiado romance A Very Private Gentleman. O filme parece drenado de vida. E o mesmo acontece com a sua estrela. Clooney, talvez pela direção, pouco se entrega emocionalmente e cenicamente a proposta do filme e com certeza não entrega seu melhor trabalho. Um Homem Misterioso talvez tenha deixado sua melhor parte no chão da ilha de edição.

0 Comentários:

Top Ad 728x90