Top Ad 728x90

29 de nov de 2008

MARIA CLARA GUEIROS E LEANDRO HASSUM DUBLADORES

by
Fotos de divulgação/ Walt Disney

Por André Moreira

Acostumados a fazer rir em carne e osso, os atores Maria Clara Gueiros e Leandro Hassum emprestaram suas vozes e verve cômica aos personagens do novo e inédito longa animado da Disney, Bolt, que estréia em janeiro de 2009. Os dois engrossam a fileira de famosos que cada vez mais dublam personagens de animação à exemplo de Hollywood.


Veja Trailer de Bolt:

REENCONTRO EMOCIONADO ENTRE DONATELA E HALLEY

by
Foto divulgação/Tv Globo

Por André Moreira

Depois de passarem o pão que o diabo amassou nas mãos de Flora (Patricia Pilar), Donatela (Claudia Raia) e Halley (Cauã Reymond) vão enfim ter um momento de felicidade juntos. A ex-socialite fica sabendo através de Zé Bob (Carmo Della Vecchia) de que seu filho sequestrado já sabe que ela é a verdadeira mãe dele e decide marcar um encontro à sós na casa do jornalista. Lá os dois se reencontram pela primeira vez como mãe filho. Mesmo sabendo que não pode reaver o tempo que perdeu estando longe do filho, Donatela pede para participar de sua vida. Emocionados os dois se abraçam. Donatela aproveita para perguntar porque Halley pediu demissão da empresa Fontini e descobre que Cilene (Elizângela) não contou que ele e Lara não são verdadeiramente irmãos, o que causou a separação dos dois. Vendo a aflição de Halley ela então decide contar a verdade. O reencontro dos dois vai ao ar a partir desta terça.

28 de nov de 2008

O LADO B DE TONI GARRIDO

by
Por André Moreira

Nesta terça, dia 02 de dezembro, quando subir ao palco do Canecão, Toni Garrido dará a largada para uma nova direção em sua carreira. Depois de anos como vocalista do Cidade Negra, Toni se reinventa e parte em carreira solo. Com “Todo o meu canto... sai do meu coração”, cd que marca o início de sua carreira sem seus amigos do Cidade e que ainda está em fase de finalização, o cantor sai finalmente da seara do reggae, onde andou com extremo sucesso desde o início de sua carreira, e passeia por outros rítmos da música negra como o Funk, o Soul e o Rock. Com o primeiro sucesso que já toca nas rádios “Me libertei" - versão para música de seu ídolo Toni Tornado - Garrido dá o tom de como encara sua vida a partir de agora. "Estou zerado com o passado, muito feliz com minha vida pregressa. Agora, é o primeiro período da minha vida em que eu faço uma música, pego um grupo e vou atrás dela, atrás dessa canção que eu mesmo fiz". Diz o ex-vocalista do Cidade Negra, que além de cantar músicas do novo cd também vai revisitar sucessos seus junto à sua antiga banda como “Firmamento”,“Onde você mora”, e “Girassol”.


Serviço

Dia 2 de dezembro, terça-feira às 20h30min

Canecão - Avenida Venceslau Brás, 215. Botafogo

Tel:(21) 2105-2000.

27 de nov de 2008

ESTRELAS NA BAHIA

by

Por André Moreira

Angélica levou seu Estrelas para a ensolarada Salvador. A apresentadora se mudou de mala, cuia e filhos para a capital baiana para gravar a temporada de férias do programa, que começa a ir ao ar em janeiro de 2009. Por lá Angélica conversou com diversos artistas como Edson Celulari, Beth Carvalho, Carlinhos Brown, Margareth Menezes e Durval Lelys. No quadro "Meu Cantinho"o líder da banda Asa de águia levou Angélica para conhecer o Groove Studio. É lá onde o cantor passa a maior parte do tempo. Estrelas vai ao às 13:40h.

26 de nov de 2008

QUARTOS DE TENNESSEE NO CENTRO CULTURAL DOS CORREIOS

by

Peça do dramaturgo americano, que estréia no próximo dia 04 de dezembro, terá audiodescrição para deficientes visuais


Por André Moreira

Considerado um dos maiores dramaturgos de sua geração, Tennesse Williams mais uma vez terá textos seus encenado nos palcos cariocas. Quartos de Tennesse, que reunirá três peças curtas e o artigo Catástrofe do Sucesso, será encenado a partir do dia 04 de dezembro no Centro Cultural dos Correios. Gabriela Pozzobon, uma das atrizes da peça, trará a audiodescrição -técnica que possibilita o acesso de deficientes visuais a peças- como novidade. Gabriela é a única atriz preparada para trabalhar com essa técnica e criou um equipe que fará a transcrição da obra para o público com essa deficiência que estiver presente. Na ocasião todos receberão um fone de ouvido sem fio para receber as informações. Também no elenco estão Angela Rebello e Emílio de Mello. Quartos de Tennessee marca a estréia da atriz Suzana Ribeiro na direção.

Serviço:
Quartos de Tennessee
Temporada: de 04 de dezembro a 01 de fevereiro
Centro Cultural Correios
Rua Visconde de Itaboraí, 20 - Centro
Corredor Cultural - Rio de Janeiro - RJ
Telefone: 21 2253-1580Fax: 21 2253-1545
Horário: de quinta a domingo 19h
Censura: 12 anos

A CASA AMARELA DE IVETE SANGALO

by
Por André Moreira

Domingo é dia de Ivete Sangalo no Tudo é Possível. Ivete conversa com Eliana sobre seu novo trabalho,"A Casa Amarela", voltado para o público infantil. Saulo Fernandes da Banda Eva, que também participou do projeto para as crianças, participa do programa e canta ao lado da musa baiana músicas do cd. Os dois ainda participam do quadro Apertados ajudando dois fãs a saírem do aperto. Vai ao ar neste domingo, 30.

24 de nov de 2008

OS NOVOS SUPER PODERES DE HOLLYWOOD

by
Depois de alguns anos no limbo cinematográfico, os heróis de quadrinhos cada vez mais ocupam seu lugar em Hollywood e no gosto do público






N
ão estaria exagerando ao afirmar que existem muitas semelhanças entre William Shakespeare e Bob Kane. Ambos criaram mitos que inspiram gerações e possuem a dádiva da imortalidade.
O príncipe Hamlet já foi interpretado das mais diversas formas, sempre sendo reinventado. O mesmo pode-se dizer da célebre criação de Bob Kane: Batman, o Cavaleiro das Trevas.
Existe apenas uma grande diferença entre os dois criadores: O respeito que lhes é concedido pelo grande público.
Enquanto Shakespeare é sempre citado com merecida pompa pelos expoentes da sociedade, o criador de Batman só é lembrado pelos fãs.


Levando-se em consideração este “marginalismo” ao qual as revistas em quadrinhos sempre foram relegadas, fica fácil de entender a razão pela qual uma adaptação para o cinema deste mundo considerado “menor” sempre foi motivo de polêmica.
Durante as décadas de 40, 50 e 60, heróis como Batman, Zorro e Flash Gordon ganharam espaço em séries de TV. Na maioria dos casos sem muita qualidade ou fidelidade com a essência dos quadrinhos. Destaque para a série: “Batman”(1966), com Adam West e Burt Ward, onde o psicodelismo da época transformou o sombrio herói em um carnaval de cores e piadinhas deslocadas.
Vale salientar que no mesmo período foi realizado um filme para cinema, intitulado: “Batman – O Homem-Morcego”. Com direito a um Bat-Repelente de tubarão e uma seqüência hilária, onde o cruzado encapuçado tenta se livrar de uma bomba prestes a detonar, desviando de casais enamorados, carrinhos de bebê e uma freira.
A década de 70 trouxe algumas oportunidades melhores para os heróis na tela pequena. A série do Homem-Aranha durou apenas 15 episódios, para a felicidade dos fãs. O escalador de teias era interpretado por Nicholas Hammond em um show de “defeitos” especiais. Peter Parker não era um adolescente tímido, mas sim um trintão com pinta de galã de novela mexicana... não precisa nem dizer que toda a razão do aracnídeo existir já havia descido pelo ralo.
Era notório o pavor dos produtores de se entregarem completamente ao conteúdo criado nas histórias em quadrinhos.
A década não foi só de fracassos, houve a bem sucedida adaptação protagonizada por Bill Bixby e Lou Ferrigno: “O Incrível Hulk”. A série respeitava bastante a história dos quadrinhos, com a inclusão de alguns personagens e uma boa trilha sonora, com destaque para a melancólica “Lonely Man”, interpretada ao piano por John Harnel e que encerrava todos os episódios.
Como a censura da TV era muito restritiva, o gigante esmeralda não causava muito estrago, apenas arremessava os vilões e grunhia.
O episódio piloto e o primeiro episódio da segunda temporada da série: “Casado”, são os melhores. Inclusive, o episódio “Casado” foi um marco nas adaptações de quadrinhos, pois foi o primeiro episódio de uma série do gênero a receber um prêmio EMMY em uma categoria não-técnica, o de melhor atriz concedido a Mariette Hartley que interpreta a namorada do herói.
O maior passo na solidificação do gênero no cinema foi dado em 1978, quando um jovem diretor chamado Richard Donner escalou Christopher Reeve com a missão de fazer-nos acreditar que o homem podia voar.


O épico “Superman” contava com um elenco de estrelas encabeçado pelo lendário Marlon Brando (era notória a tentativa dos produtores de amealhar respeito e dignidade à produção). O roteiro não apenas respeitava a história criada nos quadrinhos, como adicionava elementos, que de tão bons, foram posteriormente agregados ao universo do herói nos gibis.
Com o auxílio impecável do maestro John Williams na criação da melhor trilha sonora para um super-herói já criada, o filme foi um sucesso arrebatador nos cinemas. Pela primeira vez na história, um filme baseado em um personagem criado nos quadrinhos havia voado tão alto.
Não tão alto foi o vôo da Supergirl, que em 1984 tentou uma carreira solo no cinema. Interpretada pela linda Helen Slater, com o apoio de um Peter O´Toole visivelmente descontente, a prima de Superman enfrentava uma exagerada Faye Dunaway. A produção teve méritos, como as cenas de vôo, as melhores apresentadas até aquele momento, porém o roteiro fraco fez com o filme fracassasse nas bilheterias, afundando de vez a franquia de Superman.
Christopher Reeve ainda tentou levar o personagem de volta às telas em 1987, no asqueroso: “Superman 4 – Em Busca da Paz”.
A produção era tão mambembe que os produtores obrigaram o diretor a cortar mais de 40 minutos do filme original, tornando o produto final uma “salada” de idéias absurdas e fendas narrativas. O que dizer da cena onde Superman carrega nos braços Mariel Hemingway em um passeio pelo espaço sideral?
Um ano antes, em 1986, outro herói foi levado às telonas: “Howard – O Pato”. Com produção de George Lucas e a presença de Lea Thompson ( da trilogia “De Volta para o Futuro”) o filme é considerado atualmente a pior adaptação já realizada. De quem foi a genial idéia de realizar um filme sobre o herói pato, mestre no “Quack – Fu”? Os adultos não suportaram a idéia e as crianças não se interessaram no humor subversivo e ácido dos quadrinhos originais.


É importante não esquecer que em 1982, o famoso guerreiro cimério criado por Robert E. Howard: “Conan, O Bárbaro” também foi transportado para o cinema. Com o novato Arnold Swarzennegger no papel principal, o filme dirigido por John Milius conseguiu passar com veracidade a violência e erotismo inerentes à obra de Howard. Porém sua continuação realizada anos depois: “Conan, O Destruidor” foi um fracasso retumbante!
A redenção chegaria em 1989, com o sombrio: “Batman” de Tim Burton. Com um roteiro que tomava algumas liberdades quanto às páginas idealizadas por Bob Kane, o filme foi um inesperado sucesso comercial.
O vilão Coringa, interpretado por Jack Nicholson, tornou-se por muitos anos no inconsciente coletivo dos fãs, a face do personagem. Já o personagem título não brilhou tanto. Michael Keaton não conseguiu trazer a tona os dilemas psicológicos do personagem, deixando transparecer apenas a figura simbólica do herói.
Com o sucesso vieram as seqüências, cada uma enfraquecendo mais ainda a essência do personagem. O “tiro de misericórdia” veio em 1997 com “Batman e Robin”. O filme dirigido por Joel Schumacher conseguiu destruir em 100 minutos o que a indústria dos quadrinhos tão esforçadamente havia conseguido alcançar nos últimos 30 anos.

Um ano antes, em 1996, o tradicional herói “Fantasma” foi catapultado para o estrelato no cinema em uma aventura de péssimo gosto, onde o ar cisudo e misterioso deu suas histórias foi substituído por uma festa de cores no estilo Indiana Jones. O fantasma que anda foi interpretado por Billy Zane, que uma semana antes da estréia do filme assumiu sua homossexualidade na TV. Não era exatamente o tipo de marketing que os produtores tinham em mente...logo, o filme naufragou nas bilheterias.
Em 1998 um herói menor conseguiu alguma notoriedade com o filme: “Blade – O Caçador de Vampiros”. O canastrão Wesley Snipes assegurou o melhor papel de sua carreira (o que não é dizer muito...) e fez com que os estúdios voltassem a ter interesse em produzir histórias do gênero.
Todos os filmes já citados foram de extrema importância para a construção do momento atual no qual estamos vivendo, porém o projeto que alavancou as adaptações de quadrinhos de um pequeno nicho para um gênero cinematográfico de forte apelo com o público foi “X-Men”(2000), dirigido pelo talentoso Bryan Singer.
A equipe de mutantes criada por Stan Lee protagonizou o maior sucesso daquele ano nos cinemas, trazendo inclusive muitas pessoas que nunca haviam lido as revistas em quadrinhos.
O diretor respeitou a história original, salientando os diversos pontos polêmicos e sub-tramas complexas, deixando espaço para as futuras continuações.
O ano de 2002 foi dominado pelo aracnídeo mais famoso dos quadrinhos. “O Homem-Aranha” de Sam Raimi conseguiu traduzir com perfeição o clima das aventuras iniciais do herói desenhadas por Stan Lee.
Em “X-Men 2” de 2003, o diretor Bryan Singer criou uma obra prima. Considerado por muitos a melhor adaptação dos quadrinhos para o cinema.
O personagem Wolverine ( interpretado por Hugh Jackman) tornou-se tão popular entre os cinéfilos quanto já o era entre os fãs dos gibis.

Outro filme que merece destaque é o asiático “Oldboy”, baseado no mangá de Garon Tsuchiya, o filme ganhou o grande prêmio do Júri no Festival de Cannes e é considerado por muitos cinéfilos como um dos melhores filmes dos últimos anos.
No mesmo ano, dois personagens também ganharam espaço nas telonas.
“O Demolidor” interpretado por Ben Affleck foi um fracasso, mais pelas escolhas de elenco que pelo roteiro. O personagem enigmático tão ricamente desenvolvido nos quadrinhos não merecia aquela cena de “luta/balé” contra Elektra ( Jennifer Garner). Dirigido no “automático” por Mark Steven Johnson, o projeto é cheio de clichês mal utilizados e um final em aberto, que provavelmente nunca receberá uma continuação.

Já o “Hulk” de Ang Lee merece mais do que recebeu dos fãs. O diretor transformou o gigante verde em um personagem complexo, cheio de angústia. Para o público que anseava por uma destruição em massa, uma enorme decepção.
O ano de 2004 trouxe de volta o herói aracnídeo em sua melhor aventura nos cinemas, porém também resgatou do limbo uma descaracterizada “Mulher-Gato”. Halle Berry quase viu sua carreira afundar com esta adaptação.
Outro herói que mereceu uma adaptação foi “Hellboy”, criado por Mike Mignola. O diretor Guillermo Del Toro viria a realizar dois anos depois sua obra-prima: “O Labirinto do Fauno”.
No mesmo ano, o “Justiceiro” obteve uma segunda chance ( a primeira nos anos 80, em um filme horrendo com Dolph Lundgren) sendo interpretado por Thomas Jane. O vilão é interpretado por John Travolta em atuação caricata.
Mesmo sendo mais fiel aos quadrinhos (impossível ser diferente, posto que nem o símbolo do herói, a caveira no peito, havia no filme anterior) o projeto careceu de um roteiro melhor. A violência que é a marca do personagem teve de ser cortada para que o filme pudesse ser visto pelas crianças... mas como? “O Justiceiro” não é um quadrinho para crianças!!
A ganância de Hollywood destruiu as expectativas dos fãs e o filme fez um sucesso pífio.
O ano de 2005 foi muito bom para o gênero, o filme “V de Vingança” baseado na obra de Alan Moore redimiu novamente os fãs dos quadrinhos em uma adaptação esmerada.
O mesmo pode-se dizer do filme “Sin City – A Cidade do Pecado” do mesmo ano. A obra do genial Frank Miller foi transposta com exatidão de detalhes em um filme maravilhoso, dirigido por Robert Rodriguez.


Porém a maior surpresa dos últimos anos foi a adaptação de Christopher Nolan para o mito Batman. Seu “Batman Begins” conseguiu o impossível: trouxe realidade para o mundo gótico do herói atormentado, com uma interpretação primorosa de Christian Bale.
Na Gotham City mais verossímil já contemplada, temos a oportunidade de ver um herói em evolução, um equilíbrio perfeito entre cenas de ação e diálogos bem construídos.
Sua recente continuação, “Batman – O Cavaleiro das Trevas”, tornou-se simplesmente a melhor adaptação de quadrinhos para o cinema.
Já que comecei o texto falando do personagem criado por Bob Kane, é justo que eu termine “fechando este círculo”. A história de como os quadrinhos foram transportados para o cinema não pode ser discutida levianamente. Deve-se notar a evolução nos comprometimentos com roteiros cada vez mais fiéis às obras e a busca por melhores diretores.
De séries de TV feitas às pressas até um filme campeão de bilheteria como “The Dark Knight” existem muitas “páginas e onomatopéias” pela frente, o mundo dos quadrinhos ainda tem muito a oferecer aos cinéfilos e a “arte-final” ainda está muito longe de ser completada.

Veja a abertura do seriado do Homem-Aranha:



Veja nosso especial sobre o Homem-Morcego aqui e aqui

SEGREDOS DE MADONNA NO SUPERBONITA

by

Por André Moreira


Com a proximidade da chegada de Madonna trazendo sua nova tour ao Brasil, a diva pop começa a ganhar especiais sobre sua vida e carreira. Aproveitando esse filão o Superbonita vai mostrar os segredos da cantora para manter o corpo em forma aos 50 anos. Taís Araújo, apresentadora do programa, vai experimentar os exercícios que a musa pop utiliza para manter um invejável corpo sarado, desde o pilates, onde ela descobriu que pode modelar o corpo, passando pela Ashtanga Yoga e o Power Plate e aulas de Hip Hop. A cantora Marina Elali participa do programa e conta que começou a fazer pilates e yoga influenciada pela cantora. No ar nesta sexta, 28.

23 de nov de 2008

PRÉ-ESTRÉIA DE MADAGASCAR 2 MOVIMENTA LONDRES

by
Por André Moreira

A premiére de Madagascar 2 - Escape To Africa (no Brasil Madagascar - A Grande Escapada) movimentou Londres neste fim de semana. Estiveram presentes parte do elenco que deu voz aos personagens, dentre eles Ben Stiler, Jada Pinkett-Smith e Chris Rock. Os animais do fime anterior estão de volta e tentam voltar a Nova York, mas acabam caindo no meio da África. A animação da Dreamworks, que tenta uma vaga para concorrer ao oscar no ano que vem, fez bonito na sua estréia nos E.U.A. arrecando mais de 60 milhões de dólares e chega aos cinemas brasileiros no dia 12 de dezembro. Confira as divertidas fotos da pré-estréia em Londres e o trailer da animação.




Veja o Trailer de Madagascar 2 - A Grande Escapada:

22 de nov de 2008

DISPUTA ACIRRADA PELO OSCAR DE ANIMAÇÃO

by
Por André Moreira

A próxima edição de entrega do Oscar promete ser disputada na categoria animação. Ótimas animações entraram na disputa pela vaga para concorrer a estatueta de ouro em fevereiro de 2009. No páreo duro estão Bolt - Supercão (veja trailer aqui ), Delgo, Horton e o Mundo dos Quem, Dragon Hunters, Os Mosconautas no Mundo da Lua, Igor, Kung Fu Panda, Madagascar 2: A Grande Escapada, $9.99, The Sky CrawlersSword of the Stranger, WALL-E, Waltz with Bashir e O Corajoso Ratinho Despereaux. Falando no ratinho, cuja estréia no Brasil acontece em 2 de janeiro e dividirá a atenção com Bolt, você pode conferir as fotos e trailer logo abaixo. Mathew Broderick coloca a voz em Despereaux e Emma Watson faz a Princesa. A cerimônia do Oscar será mais uma vez no Kodak Theatre no dia 22 de fevereiro.



21 de nov de 2008

ROTEIROS PARA INGLÊS LER

by

Por André Moreira

Os cariocas terão a honra de poder ter contato com dois dos mais experientes roteiristas britânicos da atualidade. Christopher Hampton e Frank Cottrell-Boyce estarão conversando com Braúlio Mantovani na 11º Laboratório SESC Rio de Roteiros para Cinema, nesta Segunda, 24. Christopher Hampson, escritor e dramaturgo, deixou sua assinatura em sucessos do cinema como Ligações Perigosas (1988) com Glen Close, Desejo e Reparação (2007) e Carrington - Dias de Paixão (1995). O cultuado Frank Cottrell-Boyce pôde ter seu trabalho conferido através dos roteiros de filmes como Caiu do Céu (2004), Código 46 (2003) e o elogiado A Festa nunca Termina (2002) onde ele passa a limpo a cena Rock da cinzenta Manchester entre o fim dos anos 70 até o início dos 90. Os dois analisarão os roteiros dos 10 escritores brasileiros selecionados para o Laboratório. Bráulio, roteirista de Cidade de Deus e do recente Última Parada 174 vai mediar o bate-papo que terá como tema a "arte da adaptação literária para o cinema". Os dois roteiristas britânicos abrem o evento no Arte Sesc no Flamengo, que segue até o dia 28 de novembro no Sesc de Nogueira com outros roteiristas convidados.

Serviço:

Arte Sesc (Rua Marques de Abrantes 99, Flamengo)

18 de nov de 2008

MAX PAYNE: MAIS DO MESMO

by

Por André Moreira

Max Payne, que tem pré-estréia neste quinta, 19, no Claro Cine no Jockey Club do Rio de Janeiro e estréia nacional no dia seguinte, 20, é mais um longa metragem vindo do mundo dos games, como muita violência e tiros para todo lado. John Moore (O Vôo da Fênix), diretor do filme, procurou captar essa aura mantendo o clima de mistério, criando um ar neo-noir para película, mas parece ter bebido da fonte de outros filmes de sucesso que exploraram a ação e suspense com sua viga mestra. E muitos são os filmes a que Max Payne remete.

Sua estética e narrativa, mesmo não abusando da técnica do croma-key, quase se assemelha a de Sin City, onde o cenário dark impera durante todo o filme.
A técnica de câmera lenta usada anos atrás por John Woo em A Outra Face e levada ao status de "coadjuvante" e usada à exaustão pelos irmãos Wachowski em sua trilogia Matrix é uma das ferramentas usadas para pelo diretor de Max Payne.
O diretor já tentou fazer uma releitura em seu filme anterior, A Profecia, sem muito sucesso e passando longe do clima mostrado no original dos anos 70. Mark Wahlberg (Fim dos Tempos) é um detetive e parece, por esse motivo, estar à vontade nesse tipo de função sem trazer qualquer novidade. Olga Kurylenko (Quantum of Solace) em participação especial mostra toda a sensualidade que faltou no filme de 007.
O filme conta a história de um policial que decide agir por conta própria, decidido a encontrar os responsáveis pelo brutal assassinato de sua família e seu parceiro. Obcecado por vingança, sua investigação o conduz por uma jornada de verdadeiro pesadelo num submundo. À medida que se aprofunda no mistério, Max (Mark Wahlberg) se vê forçado a combater inimigos sobrenaturais e a enfrentar uma traição inimaginável.
Se a intenção de John Moore foi criar um filme para divertir sem se preocupar em comparações ele pode se despreocupar. Max Payne cumpre a tarefa. Não mais que isso.

Nota 7,5/10

Veja o Trailer Legendado:


17 de nov de 2008

O DIÁRIO DE BORDO DE SELTON MELLO

by
Por André Moreira

Selton Mello vai deixar toda sua emoção vir à tona nesta sexta, 21, quando Diário de Bordo - Feliz Natal, ir ao ar. Making off de seu filme Feliz Natal, que estréia no mesmo dia nos cinemas brasileiros, o programa não só vai mostrar a direção certeira de Selton por trás das câmeras como também a emoção do diretor estreante ao ver seu projeto tomando forma frente aos seus olhos. Selton vai revelar todo o processo de produção do filme e sua relação com o elenco, principalmente com a atriz Darlene Glória. “Ela é o farol do filme” diz ele que se encantou com o menino Fabrício Reis. "Esse menino é um fenômeno", afirma. O diário vai ao ar às 22:15h no Multishow.

LUANA PIOVANI POR TRÁS DAS CÂMERAS E LONGE DAS POLÊMICAS

by

Por André Moreira


Luana Piovani resolveu dar um tempo nas polêmicas brigas em que vem se envolvendo nos últimos tempos - vide seu entrevero com o agora ex-namorado Dado Dolabella e de ter se tornado o pivô de uma briga entre seu outro ex, o modelo Philipe Castro, e seu suposto atual Felipe Simão, este ex de Ivete Sangalo, no último domingo, 16, no badalado evento Bailinho - para se dedicar a direção de um curta metragem dentro do programa Essa História Dava um Filme do canal Multishow. No curta Luana vai contar a vida de um palhaço, que apesar da vida dura que leva, consegue divertir as pessoas. Outros artistas passaram pelo programa e viveram um dia por trás das câmeras, dentre eles Fernanda Takai do Pato Fu, Preta Gil e Malu Mader. Essa História Dava um Filme vai ao ar nesta terça, 18.

15 de nov de 2008

NOVO TRAILER DE HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE

by
Efeitos especiais se destacam no novo trailer divulgado pela Warner

Por André Moreira

Depois de ter sua estréia adiada para 17 de julho de 2009, o que irritou bastante alguns fãs da série do bruxinho, a Warner soltou mais um trailer de Harry Potter e o Enigma do Príncipe para servir de aperitivo enquanto o filme não chega. Desta vez o trailer vem recheado de cenas onde os efeitos especiais são o principal destaque. Na nova sequência, Harry Potter e seus amigos se vêem tendo que enfrentar a ameaça cada vez mais presente de Lorde Valdemort, colocando em perigo toda Hogwarts. Confira logo abaixo:


Clique ao lado para ver o primeiro trailer: Trailer 1

14 de nov de 2008

WINONA RYDER REAPARECE EM PRÉ-ESTRÉIA

by
Por André Moreira

Sumida há tempos da mídia, Winona Ryder reapareceu hoje na pré-estréia de Milk, novo filme de Gus Van Sant em Los Angeles e dividiu o holofotes com o elenco. Estavam presentes Sean Penn, Josh Broslin, dentre outros. O filme conta a história verídica do político homossexual Harvey Milk. Sean Penn, que vive o político, está irreconhecível. Veja o vídeo:

CANTOR JUANES SE CONSAGRA NO GRAMMY LATINO

by
Por André Moreira

Enquanto aqui no Brasil a versão brasileira do Grammy Latino ficou marcada pela frieza e enormes gafes, a versão oficial em Houston, Estados Unidos, foi impecável e mostrou toda sua extravagância que lhe é peculiar. Desfilaram pelo tapete vermelho artistas como Glória Estefan, Juanes (que se consagrou levando cinco prêmios), Jose Feliciano, Santana, entre outros. Confira fotos do evento onde os artistas brasileiros presentes mais uma vez ficaram em segundo plano.







Top Ad 728x90