Breaking News

CRÍTICA: W.E. - O ROMANCE DO SÉCULO


Madonna mostra que como diretora de cinema ainda tem muito o que aprender


 Por André Moreira

Mais conhecida por seu trabalho na música do que por seus poucos e não tão bons papéis no cinema (excetuando sua interpretação em Evita de Alan Parker), a Diva do pop Madonna retorna às telas atrás das câmeras com W.E - O Romance do Século e mostra que ainda tem um longo caminho a percorrer como diretora de cinema.
O longa conta a história do amor proibido entre o rei Edward VIII com a plebeia divorciada dos EUA Wallis Simpson, nos anos 1930, e traça um paralelo com Wally, mulher nos dias de hoje que vive um casamento infeliz e é obcecada pela história de Wallis.


O filme tem apuro técnico e isso é evidente na tela, tendo a produção levado inclusive o Globo de Ouro este ano como melhor música (essa ainda é a melhor praia de Madonna) e a indicação de melhor figurino na última edição do Oscar. A cantora e agora diretora, sabe se cercar de bons profissionais. Coisa que aprendeu em todos esses anos no mundo da música e trouxe para sua nova empreitada no cinema. E por isso mesmo W.E. não é um bomba. O filme por si só não é ruim, mas ficou no meio do caminho do que poderia de fato ser. E com uma ligação histórica com o que foi mostrado no recente Discurso do Rei, Madonna poderia ter nos brindado com muito mais. 
Com um roteiro por vezes arrastado e optando com closes exagerados para buscar dramaticidade (forçada), W.E. consegue ser enfadonho ao longo de toda sua projeção. Outro exagero da produção é abusar da trilha sonora para emoldurar o drama de seus personagens. Um excesso que atrapalha em vez de ajudar. Outro ponto importante é o desenvolvimento da história. Se mantivesse o foco apenas no célebre casal e deixasse de lado a parte contemporânea da história, talvez seu roteiro funcionasse. Dividindo a trama em paralelos, Madonna fugiu do foco principal (a história de Edward e Wallis) e perdeu uma boa chance de contar uma grande história sob seu ponto de vista. Pena.
Apesar de todos esses equívocos, W.E. - O Romance do Século soa como um bom exercício para Madonna, que ainda se mostra amadora no ramo, mas esforçada naquilo que produz.

Um comentário

Sara Storrer disse...

"Uma quimera insana que ao mesmo tempo diz pouco, e não diz nada. Nada histórico, nada de glamour, nada sensível, nada de "romance" e nada "do século".

http://www.beepbopboom.com.br/2012/03/we.html